“NOVO” – [Podcasts] “Introdução à obra de Franz Kafka”, por Tomaz Amorim

Disciplina de graduação da Universidade Estadual de Campinas que, por motivos de Coronavírus (COVID-19), se tornou online.

 

Tomaz Amorim possui graduação em Estudos Literários pela UNICAMP. Foi bolsista de mestrado de curta duração na Universidade de Colônia, na Alemanha, e de mestrado na UNICAMP. É doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada na USP, com passagem como bolsista na Humboldt-Universität de Berlim. Atualmente é pós-doutorando em Teoria e História Literária na Unicamp onde estuda intersecções não-modernas entre as obras de Oswald de Andrade e Walter Benjamin. Atua principalmente nos seguintes temas: Franz Kafka, Walter Benjamin, Oswald de Andrade, Teoria Crítica e Modernidade.

 

LINKS

 

PODCASTS JÁ GRAVADOS

  • Aula 2: ContemplaçãoNeste segundo episódio (o primeiro foi uma aula presencial na Unicamp) conversamos sobre o primeiro livro publicado de Kafka, o volume de narrativas curtas Contemplação.
  • Aula 3: O veredictoNeste terceiro episódio conversamos sobre a novela que marcou o irrompimento do estilo maduro de Kafka: O veredicto.

ObservatórioK.

O Observatório K. é o serviço de newsletter do Projeto Franz Kafka. Nesse sentido o Observatório K. será uma espécie de mural com informações sobre defesas de teses e dissertações, pesquisadores, lançamentos, resenhas de livros, celebrações, eventos e chamadas de artigos e resumos e compartilhamento de arquivos.

  • Defesas de teses e dissertações;
  • Grupo de pesquisadores;
  • Lançamentos;
  • Resenhas de livros (que poderiam ser publicadas no site e depois reunidas em uma revista ou uma edição);
  • Celebrações;
  • Eventos;
  • Chamadas de artigos e de resumos para eventos no Brasil e exterior;
  • Compartilhamento de arquivos.

Informações inscrições no serviço em breve.

Forte abraço
Equipe do Projeto Franz Kafka

Arte: “Franz Kafka”, por Steve. D. Hammond e a capa do Livro “Essencial Franz Kafka”, da Companhia das Letras-Penguin

This is a painting of Franz Kafka born on 3 July 1883 – died 3 June 1924) he was born in Prague, now in the Czech Republic but then part of Austria.Hermann Kafka his father was a domestic tyrant, who directed his anger against his son. Kafka also had three sisters, all of whom perished in Nazi camps. Often Kafka’s stories dealt with the struggle between father and son, or a scorned individual’s pleading innocence in front of remote figures of authority. Kafka grew up in an atmosphere of familial tensions and social rejection that he experienced as a member of Prague’s Jewish minority. His attitude to his Jewish heritage was ambivalent. In a diary he wrote: ”What have I in common with Jews? I have hardly anything in common with myself and should stand very quietly in a corner, content that I can breathe.” During his life Kafka had many girlfriends, many affairs, and a number of broken engagements. In 1912 he met Felice Bauer, a twenty-four-year-old businesswoman from Berlin. He warned her that life with him would mean ”a monastic life side by side with a man who is fretful, melancholy, untalkative, dissatisfied and sickly.” Their relationship lasted for five years.Kafka spent in the sanatorium the last six weeks of his life. He suffered from thirst and in his last letter to his parents he recollects his childhood when he drank beer with his father during their visits to a bathing establishment. Kafka died of tuberculosis on June 3, 1924. Kafka has come to be one of the most influential writers of this century. Virtually unknown during his lifetime, the works of Kafka have since been recognized as symbolizing modern man’s anxiety-ridden and grotesque alienation in an unintelligible, hostile, or indifferent world.

 

franz-kafka-steve-hammond

 

Algumas capas da Penguin-Companhia mostram obras de arte conhecidas, como as de Livro da vida e Os ensaios de Montaigne. Outras exibem fotos dos próprios autores, como as de Essencial Joaquim Nabuco e Os últimos dias de Tolstói. O caso doEssencial Franz Kafka, no entanto, foi diferente.

Às voltas com a escassez de imagens do autor tcheco, nossa equipe encontrou no Flickr este quadro ao lado, feito por um pintor amador de Michigan chamado Steve. D. Hammond. Entramos em contato com ele, a Penguin aprovou a ideia, e agora a imagem estampa nossa edição, que reúne textos de Kafka com tradução e comentários de Modesto Carone. (Site da Companhia da Letras)

 

essencial-franz-kafka-companhia-das-letras

Curso: “A Primeira Guerra Mundial em Franz Kafka”, de Renato Farias

NOME DA DISCIPLINA: A Primeira Guerra Mundial em Franz Kafka
DOCENTE RESPONSÁVEL: Prof. Dr. Renato Oliveira de Faria

PROGRAMA

OBJETIVOS

1) Apresentar e analisar a produção de Franz Kafka (1883-1924) no contexto do Império Austro-Húngaro e da Primeira Guerra Mundial. 2) Desconstruir a lenda de um escritor recolhido a um mundo de fantasias privadas enquanto o Império Austro-Húngaro desmoronava sob o influxo da Primeira Guerra Mundial.

JUSTIFICATIVA

“A Alemanha declarou guerra à Rússia. – Natação à tarde.” Apoiando-se nessa anotação dos Diários de Kafka (datada de 02 de agosto de 1914), não poucos críticos buscaram sublinhar a indiferença do escritor em relação à Primeira Guerra Mundial. Em oposição a essa leitura, a disciplina pretende examinar, por um lado, o modo particular como a experiência da Primeira Guerra Mundial precipita-se na produção literária de Kafka. Por outro lado, apoiando-se em alguns dos seus chamados “escritos de repartição” (ou seja, em alguns dos textos elaborados pelo escritor para o Instituto de Seguros contra Acidentes dos Trabalhadores do Reino da Boêmia em Praga), a disciplina pretende mostrar como as experiências profissionais de Kafka propiciaram ao escritor a percepção de que as devastações da Primeira Guerra Mundial não se restringiam, de modo algum, aos campos de batalha, mas abarcavam também o “front doméstico”.

CONTEÚDO (Ementa)

  1. Esboço do contexto histórico-social de Franz Kafka. Esboço da produção literária de Franz Kafka.
  2. O Império Austro-Húngaro e a Primeira Guerra Mundial (1914-1918).
  3. A Primeira Guerra Mundial como “maior teatro do mundo”. Estudo do fragmento “O teatro natural de Oklahoma” [1914] de O desaparecido e do capítulo final [1914] de O processo.
  4. Kafka, pensador da “guerra total”? Estudo dos seguintes “escritos de repartição” de Kafka: “Situação de guerra e classificação de riscos” [1915]; “Prevenção de acidentes (Influência da guerra sobre a prevenção de acidentes)” [1915]; “Um grande plano da assistência social de guerra exige realização. Fundação de um hospital psiquiátrico na Boêmia alemã.” [1916]; “Associação alemã para fundação e manutenção de um hospital psiquiátrico público para veteranos na Boêmia alemã” [1916]; “Ajudem os inválidos de guerra! Um apelo urgente à população.” [1916]; e “Ajudem os inválidos de guerra!” [1917].
  5. Kafka, leitor de Hamlet durante a Primeira Guerra Mundial. Aproximações entre Hamlet [1599] de Shakespeare e O guarda da tumba [1916] de Kafka.
  6. O Império Austro-Húngaro desce aos infernos. Estudo das pequenas narrativas de Um médico rural [1916-1917].

Observação: O curso será ministrado em português.

BIBLIOGRAFIA

Observação: Os principais textos para leitura serão indicados a tempo e colocados no xerox. Na medida do possível, serão oferecidas traduções em português ou/e inglês dos textos em alemão.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. “Anotações sobre Kafka”. In: Prismas: crítica cultural e sociedade. Trad. de Augustin Wernet e Jorge de Almeida. São Paulo: Ática, 2001, p. 239-270.
ALLEMANN, Beda. Zeit und Geschichte im Werk Kafkas. Org. por Diethelm Kaiser e Nikolaus Lohse. Göttingen: Wallstein, 1998.
ALT, Peter-André. Franz Kafka: Der ewige Sohn. Munique: Beck, 2005.
ANZ, Thomas. “Kafka, der Krieg und das größte Theater der Welt”. In: Schneider, Uwe; Schumann, Andreas (orgs.). “Krieg der Geister”: Erster Weltkrieg und literarische Moderne. Würzburg: Königshausen & Neumann, 2000, p. 247-262.
—————. Franz Kafka: Leben und Werk. Munique: Beck, 2009.
AUEROCHS, Bernd; ENGEL, Manfred (orgs.). Kafka Handbuch. Stuttgart/Weimar: Metzler, 2010.
BENJAMIN, Walter. Benjamin über Kafka. Org. por Hermann Schweppenhäuser. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1992.
—————. “Franz Kafka: a propósito do décimo aniversário de sua morte”. In: Magia e técnica, arte e política. Trad. de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1996, p. 137-164.
—————. “As armas do futuro: batalhas com cloroacetofenona, difenilamina cloroarsina e sulfeto de dicloroetila”. In: O capitalismo como religião. Trad. de Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 69-72.
BINDER, Hartmut (org.). Kafka-Handbuch. 2 vols. Stuttgart: Alfred Kröner, 1979.
Bohunovsky, Ruth. “À procura da literatura austríaca: da construção à análise de um mito”. Pandaemonium Germanicum, nº 15, 2010, p. 139-162. https://doi.org/10.1590/S1982-88372010000100009
CARONE, Modesto. Lição de Kafka. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
CLARK, Christopher. Os sonâmbulos: como eclodiu a Primeira Guerra Mundial. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
COELHO, Marcelo. “As letras na trincheira”. Folha de S.Paulo, 26.06.2011.
—————. “A primeira guerra total”. Folha de S.Paulo, 20.07.20114
CORNWALL, Mark (org.). Die letzten Jahre der Donaumonarchie: der erste Vielkvölkerstaat im Europa des frühen 20. Jahrhunderts. Essen: Magnus, 2006.
ENGLUND, Peter. A beleza e a dor: uma história íntima da Primeira Guerra Mundial. Trad. de Fernanda Sarmatz Akesson. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
FERRO, Marc. A Grande Guerra: 1914-1918. Trad. de Stella Lourenço. Lisboa: Edições 70, 1990.
FREUD, Sigmund. “Considerações atuais sobre a guerra e a morte” [1915]. In: Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos [1914-1916]. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 209-246.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Narração e silêncio”. Folha de S.Paulo, 17.07.2011.
GRAY, Richard T. et al. A Franz Kafka Encyclopedia. Westport: Greenwood Press, 2005.
HERMES, Roger et al. Franz Kafka: eine Chronik. Berlim: Klaus Wagenbach, 1999.
Hirschfeld, Gerhard et al. (orgs.). Enzyklopädie Erster Weltkrieg. Paderborn: Ferdinand Schöningh, 2009.
HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios: 1875-1914. Trad. de Sieni Maria Campos e Yolanda Steidel de Toledo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.
—————. Era dos extremos: 1914. Trad. de Sieni Maria Campos e Yolanda Steidel de Toledo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.
HOLZER, Anton. Das Lächeln der Henker: der unbekannte Krieg gegen die Zivilbevölkerung 1914-1918. Darmstadt: Primus, 2008.
JAHRAUS, Oliver. Franz Kafka: Leben, Schreiben, Machtapparate. Stuttgart: Reclam, 2006.
JAHRAUS, Oliver; JAGOW, Bettina (orgs.). Kafka Handbuch. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2008.
JENKINS, Harold. “Introduction”. In: SHAKESPEARE, William.  Hamlet. Editado por Harold Jenkins. Londres: Routledge, 1994, p. 1-159.
KAFKA, Franz. Kritische Kafka Ausgabe: Schriften/Tagebücher/Briefe. Org. por Jürgen Born, Gerhard Neumann, Malcolm Pasley e Jost Schillemeit. Frankfurt am Main: Fischer, 1982ff.
—————. Historisch-Kritische Kafka Ausgabe sämtlicher Handschriften, Drucke und Typoskripte. Org. por Roland Reuß e Peter Staengle. Frankfurt am Main: Stroemfeld, 1997ff.
—————. In der Strafkolonie: eine Geschichte aus dem Jahre 1914. Org. por Klaus Wagenbach. Berlim: Klaus Wagenbach, 2004.
—————. Contemplação/O foguista. Trad. e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
—————. O veredicto/Na colônia penal. Trad. e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
—————. O processo. Trad. e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
—————. Blumfeld, um solteirão de mais idade e outras histórias. Trad. e posfácio de Marcelo Backes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
—————. Um médico rural. Trad. e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
—————. Narrativas do espólio. Trad. e posfácio de Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
—————. O desaparecido ou Amerika. Trad., notas e posfácio de Susana Kampff Lages. São Paulo: Editora 34, 2003.
—————. Essencial Franz Kafka. Trad., seleção e comentários de Modesto Carone. São Paulo Companhia das Letras/Peguin Classics, 2011.
KITTLER, Wolf. “Grabenkrieg/Nervenkrieg/Medienkrieg: Franz Kafka und der 1. Weltkrieg”. In: HÖRISCH, Jochen; WETZEL, Michael (orgs.). Armaturen der Sinne: literarische und technische Medien 1870 bis 1920. Munique: Wilhelm Fink, 1990, p. 289-309.
KOCH, Hans-Gerd. “Franz Kafka: Patriot ohne Vaterland”. Brücken, República Tcheca/Eslováquia, nº 15, 2007, p. 9-19.
MEHL, Dieter. Shakespeares Hamlet. Munique: Beck, 2007.
MOMMSEN. Wolfgang. Die Urkatastrophe Deutschlands: der Erste Weltkrieg 1914-1918. Stuttgart: Klett-Cotta, 2004.
NEUMANN, Bernd. Franz Kafka: Gesellschaftskrieger. Munique: Wilhelm Fink, 2008.
—————. Franz Kafka und der Große Krieg. Würzburg: Königshausen & Neumann, 2014.
RAUCHENSTEINER, Manfried. Der Tod des Doppeladlers: Österreich-Ungarn und der Erste Weltkrieg. Graz/Viena/Colônia: Styria, 1997.
—————.“Österreich im Ersten Weltkrieg 1914-1918”. In: GEHLER, Michael; STEININGER, Rolf (orgs.). Österreich im 20.Jahrhundert: von der Monarchie bis zum Zweiten Weltkrieg. Viena/Colônia/Weimar: Böhlau, 1997, p. 65-87.
RINESI, Eduardo. Política e tragédia: Hamlet, entre Hobbes e Maquiavel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2009.
ROSENFELD, Anatol. “Kafka e kafkianos”. In: Texto/contexto I. São Paulo: Perspectiva, 1996, p. 225-262.
SCHORSKE, Carl E. Viena fin-de-siècle: política e cultura. Trad. de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
SHAKESPEARE, William.  Hamlet. Editado por Harold Jenkins. Londres: Routledge, 1994.
—————.  Hamlet. Trad. de Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM, 2010.
SHAPIRO, James. 1599: Um ano na vida de William Shakespeare. São Paulo: Planeta, 2010.
STACH, Reiner. Kafka: die Jahre der Entscheidungen. Frankfurt am Main: Fischer, 2002.
—————. Kafka: die Jahre der Erkenntnis. Frankfurt am Main: Fischer, 2008.
—————. Kafka: die frühen Jahre. Frankfurt am Main: Fischer, 2014.
VOCELKA, Karl. Österreichische Geschichte. Munique: Beck, 2005.
WAGENBACH, Klaus. Franz Kafka: Biographie seiner Jugend (1883-1912). Berlim: Klaus Wagenbach, 2006.
WAGENBACH, Klaus; KOCH, Hans-Gerd (orgs.). Kafkas Fabriken. Marbacher Magazin, Marbach, nº 100, 2002.
WAGNER, Benno. “Kafkas phantastisches Büro”. In: SCHERPE, Klaus; WAGNER, Elisabeth (orgs.). Kontinent Kafka. Berlim: Vorwerk, 2006, p. 104-118.
WEIGEL, Hans et al. (orgs). Jeder Schuss ein Russ, Jeder Stoss ein Franzos: literarische und graphische Kriegspropaganda in Deutschland und Österreich 1914-1918. Viena: Christian Brandstätter, 1983.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Seminário.

[Donwload]

Untitled-1

Lançamento: “Kafkiana”, de Elvira Vigna [Editora Todavia]

Com uma voz direta, cômica e cortante, Elvira Vigna passeia por vinte contos de Franz Kafka, que, recontados pela autora, ganham uma dicção nova, uma agilidade e uma graça que servem de ponte improvável entre a República Tcheca e o Brasil. Uma das grandes escritoras brasileiras contemporâneas, Elvira deixa neste Kafkianas um irresistível presente a seus leitores de todas as idades.

Elvira Vigna (Rio, 1947 – São Paulo, 2017) foi escritora e desenhista. Formou-se em literatura pela Universidade de Nancy, na França, e mestre em comunicação pela UFRJ. Ilustradora de obras de autores como Sylvia Orthoff, Mino Carta e Lygia Bojunga, é autora de A um passoComo se estivéssemos em palimpsesto de putas, e O que deu para fazer em matéria de história de amor, entre outros. (Texto informado pela Livraria Travessa).

Vídeo: “Franz Kafka: o mal-estar como cultura ontem e hoje”, por Márcio Seligmann Silva

Apresentação de Márcio Seligmann Silva, professor titular de Teoria literária da UNICAMP, ao Instituto CPFL/Cultura, São Paulo. “As personagens de Dostoiévski sofrem sobremaneira, mas, ainda assim, elas conseguem dar sentido às suas angústias e prostrações, de modo a compreender o que as aflige – ainda…